Clube de Desbravadores Nações
Associação Bahia Sul

Os dados apresentados aqui são de responsabilidade da diretoria do clube Nações
Nações

Nações

Desbravadores

  • Membros 29
  • Diretoria 13
  • Total 42

Dados do clube

Fundação

02/05/1992 (27 ANOS)


Região

8º REGIÃO


Endereço

RUA CRISTOVÃO COLOMBO, 1391 - MINAS GERAIS
EUNÁPOLIS - BAHIA
45828-267


Reunião principal

DOMINGO
08:00:00


Link externo

Clique aqui para acessar

Classificação

O Clube de Desbravadores Nações foi fundado em maio de 1992, na também recém-nascida Igreja Adventista do Sétimo Dia do bairro Minas Gerais. Entretanto, em seu surgimento, o nome era Clube de Desbravadores Brilho Solar, tendo como diretor Erotildes Ferreira. Apesar das dificuldades, em 06 de julho do ano de seu fundamento, as inscrições foram abertas para receber crianças do bairro afim de evangeliza-las.

Em 1993, o até então adjunto (diretor associado) Cleber Fagundes (in memória) é escolhido para dirigir o pequeno Brilho Solar. Sob a direção do Cleber, ainda em 1993, foram realizadas as primeiras atividades campestres e caminhadas.

No ano seguinte, 1994, a diretoria é totalmente renovada e agora a guerreira Luciene Costa torna-se a 1ª diretora do clube. Como cumprimento da Lei dos Desbravadores, seguiu fielmente à parte que lhe correspondia naquele ano.

Nilton Cesar é então nomeado o diretor do Brilho Solar em 1995. No entanto, afastou-se do cargo naquele mesmo ano e o clube teve suas atividades encerradas pelas dificuldades que foram encontradas.

Os planos de Deus para esse clube eram maiores que os planos dos homens. Por isso, em meados de 1997, foi eleito Carlos Silva como o diretor. Um retorno magistral!! Contando com o apoio de Adelice Felix e Gessenilde Almeida, começaram as primeiras reuniões afim de planejar o renascimento da luz do Brilho Solar.
Carlos, que era integrante do Liga Estelar, atendeu ao chamado de Deus e, juntamente com Fábio Dangelo, administraram de forma honrosa o clube. Na gestão de Carlos o clube participou dos seus primeiros camporis: I Campori da UNeB - Sempre Vencendo (Feira de Santana, BA - 1997) na direção do Pr. Erthon Kuller e o Campori Meso III – Rumo ao Porto Seguro (Porto Seguro, BA – ABS - 1999). Além desses camporis, o clube também realizou muitos outros acampamentos e participou de Clubões.

Em novembro de 2001, Carlos sonhou com a mudança do nome do Clube Brilho Solar para Clube Nações. Após aprovação dessa alteração, foi realizado um belíssimo congresso na IASD Minas Gerais afim de apresentar o Novo Clube e as Novas Unidades: Brasil, França, Itália e Espanha eram as femininas; Estados Unidos, Rússia, Portugal e Inglaterra as masculinas; a direção ficou conhecida como ONU.

Após anos de muito trabalho, Carlos foi convidado a ser Coordenador da 8ª RDBS tendo que passar a responsabilidade para Joamilton dos Santos a partir de 2002.

Não diferente do antecessor, Juca - como era mais conhecido, levou o clube para outros grandes camporis: III Campori da ABS - A Grande Conquista (Itabuna, BA - 2002) e II Campori da UNeB – Chamados para Servir (Aracaju, SE – 2003)

A diretora associada de Joamilton, em 2004, Rosania Araujo, assume o Clube Nações sendo a segunda mulher nesse cargo de diretora. Sob sua gestão, o clube participou de seu III Campori da Divisão Sul-Americana: Fonte de Esperança, realizado em Santa Helena – PR, em 2005.

Em 2006, Ronaldo Cabral assumiu o comando. No entanto, naquele ano, as atividades foram encerradas mais cedo.

Após um ano difícil, Juca é escolhido pela comissão da IASD Mias Gerais para assumir novamente o Clube Nações. Com o apoio da igreja, conseguiu reerguer o Clube e o conduziu de janeiro de 2007 até fevereiro de 2010, participando do I Campori de Unidades – O Mundo em Minhas Mãos (Eunápolis, BA – 2007), I Campori da 8ª RDBS – Desbravadores por Jesus (Eunápolis, BA – 2008) e do III Campori da UNeB - Nascidos para Brilhar (Natal, RN - 2010).

Em 2010, José Carlos é escolhido o diretor do clube. Um conselheiro incomparável que agora teria a oportunidade de administrar o clube da mesma forma e competência com a qual administrava a unidade em anos anteriores. Seu primeiro grande feito foi receber no clube mais de 100 desbravadores. Por esse motivo, foi realizado uma reunião afim de criar duas novas unidades: Áustria (feminina) e Argentina (masculina).

Nos dois anos seguintes (2011 e 2012), Márcio Moura é escolhido como o líder das crianças e dos adolescentes. Ele foi o primeiro líder investido pelo Clube Nações e agora estava servindo o clube com seus conhecimentos. Ele deu os primeiros passos para a realização de mais um sonho do Clube Nações; aproximados 10 anos depois de Santa Helena, o próximo Campori da Divisão Sul-Americana se aproximava e já começava a agitar os pensamentos de sua direção.

Em 2013, Dháville Araujo assumiu o clube sendo diretor até junho do mesmo ano, tendo que se afastar por problemas pessoais. Ainda assim, participou com o Clube Nações da I Olímpiada realizada pela Associação Bahia Sul, em Eunápolis-BA.

No segundo semestre de 2013, José Carlos retorna e, de forma fantástica, prossegue com o sonho do IV Campori da DSA. Em janeiro de 2014, o Clube Nações sob direção do Zé Carlos, participa então do maior Campori da Divisão Sul-Americana: Um Encontro Marcado (Barretos, SP).

Após aquele maravilhoso campori, Felipe Henrique é imbuído a administrar o Clube Nações. Como diretor, conduziu o clube ao IV Campori da ABS – Siga Jesus, Compartilhe Esperança, realizado em Porto Seguro – BA. Foram 2 grandes camporis em 10 meses. Deus conduziu o Clube Nações naquele ano!

Em 2015, Camila Fernanda, uma jovem que cresceu no clube, assume a responsabilidade como uma grande mulher. Tendo o clube naquele ano, conduzido 14 adolescentes ao batismo.

No ano de 2016, Jeane Pedroso é escolhida e firma-se então como mais uma mulher vitoriosa na direção do Clube Nações. Apesar das dificuldades, Jeane conduziu o clube ao importante I Campori da União Leste Brasileira, realizado no IAENE (Cachoeira, BA – 2016). Jeane também realizou uma belíssima homenagem aos antigos diretores em comemoração aos 25 anos de existência do Clube Nações/Brilho Solar.

Em 2017, o clube esteve novamente sob a direção de Dháville Araujo. Um início promissor demonstrando que o ano seria diferente, e foi. Após muitas atividades nos primeiros meses, o clube sofreu com a saída de vários membros da diretoria no decorrer do ano. No entanto, Dháville, Igor e Ludimila (diretores associados), doaram-se o máximo afim de que o clube não parasse o funcionamento. No final, muitas vitórias, apesar das provações. O clube conseguiu ser padrão 5 estrelas no Sistema de Gerenciamento de Clubes, promovido pela Divisão Sul-Americana, feito nunca realizado no clube anteriormente. Alcançou padrão 5 estrelas no II Facecamp da Reforma, promovido pela União Leste Brasileira. E conseguiu também ser padrão 5 estrelas no Ranking da Associação Bahia Sul.

O ano de 2017 terminou e as dificuldades estavam apenas começando para 2018. Após quase 3 meses sem escolha do diretor, Dháville assumiu o clube com a responsabilidade de encarar o V Campori da Divisão Sul-Americana.

A história continua...

Maranata!!