Club de Conquistadores Olimpo
Associação Planalto Central

Los datos presentados aquí son de responsabilidad de la directiva del Club Olimpo
Olimpo

Olimpo

Conquistadores

  • Miembros 6
  • Directiva 8
  • Total 14

Datos del Club

Fundación

03/05/2015 (9 AÑOS)


Región

ALFA α- MACRO CENTRAL - DESBRAVADORES


Dirección

RUA DO ACOUGUE, ACAMPAMENTO RABELO, VILA PLANALTO - VILA PLANALTO
BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL
70802130


Reunión principal

DOMINGO
09:00:00


Mensaje para Olimpo






Historial de Clasificación

Este Club aún no ha sido 5 Estrellas en el SGC

1. CLUBE DE DESBRAVADORES OLIMPO
Significado: Monte Olimpo – lugar onde reina a felicidade, céu, paraíso. É neste ambiente que diversas histórias são contadas e muitos acontecimentos são apresentados.
Passagem: Is 2:3
Aplicação: Na Bíblia o lugar do monte se refere à interioridade, lugar de estar com Deus, lugar do cultivo intenso da oração. A nomenclatura Monte Olimpo tem por objetivo ressignificar e utilizar a expressão colocando o Clube de Desbravador como um lugar onde eles poderão encontrar a felicidade, onde serão conduzidos a Deus e à esperança de um novo céu; proporcionar a cada um dos desbravadores um lugar onde Deus habite e Se faça conhecer para cada um deles. Assim como na Antiguidade, os povos iam até o monte Olimpo para compreender a origem humana, ouvir histórias e compreender sua existência; cada participante é convidado a se encontrar no Monte do Senhor, o Único Deus, para compreender quem é, quem Ele é, o que espera de nós e como nos ama.
Dessa raiz nascem 12 montes bíblicos que possuem 12 histórias diferentes, com diferentes lições e mensagens para cada classe, contendo o objetivo deste clube, da casa e da mensagem de Deus na vida de cada um dos que passarão por aqui.
1.1. UNIDADE AMIGO
1.1.1. OLIVEIRAS
Significado: O nome do lugar se deve realmente à presença de árvores de oliva que antigamente cobriam as encostas (algumas ainda podem ser vistas no Jardim de Getsêmani).
Passagem: Is 53: 4–5
Aplicação: Na primeira unidade é fundamental iniciar o contato dos participantes com a mensagem principal da Bíblia: Jesus Cristo – sua vida, ministério e sacrifício. Mais do que trazer o sacrifício de Cristo, é importante enxergá-lo da melhor maneira: entender o tamanho do amor Dele por mi e o quanto eu ganhei pela entrega de Sua vida: a Vida Eterna.
Slogan: Um lugar de Salvação.

1.1.2. ARARATE
Significado: Terra sagrada.
Passagem: Gn 8:1 / Gn 9:12-16
Aplicação: Representando uma história tão famosa da Bíblia e tão popular, a intenção é ensinar desde a base que a relação com Deus presume aliança e compromisso. Da mesma forma como Ele se lembra diariamente do Seu amor para conosco, nós – seres falhos e limitados – precisamos ter em mente a seriedade da nossa relação com Ele e o que é preciso fazer para que esse relacionamento prospere durante toda nossa vida.
Slogan: Um lugar de aliança.
1.2. UNIDADE COMPANHEIRO
1.2.1. MORÉ
Significado: O sítio de Moré, a colina na qual Gideão acampou antes de ter atacado os Midianitas, é algumas vezes identificado com o moderno Nebi Dahi, Israel, sul do Monte Tabor, mas isto ainda não foi definitivamente confirmado.
Passagem: Jz 7
Aplicação: Confiar nas mãos de Deus mesmo quando o que Ele pede parece loucura.
Slogan: Um lugar de confiança.
1.2.2. CARMELO
Significado: “pomar bem cultivado”, “jardim fértil”, “vinha de Deus”.
Passagem: I Re 18.
Aplicação: A fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem, e isso fica claro na história de Elias diante da sua fé em pedir chuva após 3 anos e meio sem sinal desta na Terra, e mesmo assim ter tido a coragem de se levantar e desafiar inúmeros profetas de Baal na certeza de que seu Deus é o único Deus e o responderia.
Slogan: Um lugar de fé.
1.3. UNIDADE PESQUISADOR
1.3.1. MORIÁ
Significado: Para muitos estudiosos a raiz da palavra ’jiré’ também faz parte da palavra ‘Moriyah’, Moriá. A raiz ‘yrié’ significa: o Deus que vê, o Deus que será visto, o Deus que provê. Outros creem que a palavra vem da raiz ‘yorrêt’ que significa ‘ensinar’. Assim Moriá seria o monte do ensinamento.
Passagem: Gn 22:2
Aplicação: “Por que o Senhor pediu uma coisa dessas a Abraão? Porque, sabendo qual seria seu futuro e que ele seria pai de uma posteridade incontável, Ele estava determinado a testá-lo. Deus não o fez por Si mesmo; porque Ele sabia graças a Sua presciência que Abraão o faria; mas para deixar uma lição gravada na mente de Abraão e permitir que ele adquirisse um conhecimento que ele não poderia obter de nenhuma outra forma. É por isso que Deus nos prova. Não é para Seu próprio conhecimento; pois Ele tem conhecimento prévio de todas as coisas. Ele conhece toda a nossa vida e tudo o que fazemos. Mas Ele nos prova para nosso próprio bem, para que conheçamos a nós mesmos. (…) Ele exigiu que Abraão se submetesse a essa provação porque queria dar-lhe glória, exaltação e honra; Ele pretendia torná-lo rei e sacerdote, compartilhando de Sua própria glória, poder e domínio.” (George Q. Cannon, Conference Report, abril de 1899, p. 66.)
O Élder Neal A. Maxwell aplicou essas verdades a nós quando disse que nossa vida “não pode ser cheia de fé e desprovida de estresse (…).
Como podemos nós realmente esperar navegar ingenuamente pela vida, como que dizendo: ‘Senhor, dá-me experiência, mas não tristeza, nem pesar, nem dor, nem oposição, nem traição, e, certamente, não me deixes desamparado. Guarda-me, Senhor, de todas essas experiências que fizeram de Ti o que Tu és! Depois, permite-me ir viver Contigo e partilhar plenamente de Tua alegria!’” (A Liahona, outubro de 1991, p. 10.)
O Profeta Joseph Smith sugeriu que o sacrifício é uma das maneiras pelas quais adquirimos maior fé. Por exemplo, como você acha que sua fé em Deus teria crescido se tivesse passado pelo que Abraão passou? Ele não teria crescido em sua fé se tivesse se recusado a oferecer o sacrifício ordenado por Deus. Joseph Smith disse: “Uma religião que não exige sacrifício de todas as coisas jamais terá poder suficiente para produzir a fé necessária para a vida e salvação”. (Lectures on Faith, 1985, p. 69.)
Slogan: Um lugar de ensinamento.
1.3.2. SINAI
Significado: monte de Moisés, em árabe. Lamacento, barrento e brilhante.
Passagem: Êx 20:1-17
Aplicação: Lugar onde Deus havia falado com Moisés antes deste descer ao Egito (Êxodo 19:1; Êxodo 3:1-6).
A voz de Deus pronunciou os princípios fundamentais da constituição da nova nação, uma série de ordenanças que nós conhecemos como os dez mandamentos (Êxodo 20:1-17).
O tempo da ausência de Moisés deu uma excelente oportunidade para os israelitas refletirem sobre o Deus que os libertou e suas instruções para o bem do seu povo. Foram quarenta dias para o povo demonstrar sua confiança em Deus. A triste realidade da história é que o povo de Israel errou gravemente e foi reprovado. Foram quarenta dias que revelaram claramente a fraqueza da nova nação. Israel se mostrou espiritualmente carente.
Ficou evidente que a nação, desde os mais simples cidadãos até um dos principais líderes, não conseguiria andar sozinha. Precisavam de Deus, e teriam de reconhecer sua dependência do Senhor. Deus lhes deu mais quarenta dias enquanto Moisés permaneceu outra vez no monte, tempo para se prepararem para fazer o tabernáculo exatamente da maneira que Deus mandou.
Slogan: Um lugar de dependência.
1.4. UNIDADE PIONEIRO
1.4.1. GERIZIM
Significado: Terra estéril.
Passagem: Jo 4:20,21
Aplicação: Ao lado do Monte Ebal, com 90 metros acima do nível do mar, ao sul da entrada do vale de Siquém (Js 8:33 / Jz 9:7). Desse monte, o povo de Israel respondia ás bençãos, enquanto os levitas ficavam com a arca entre os dois montes (Dt 11:29). É um lugar sagrado para os samaritanos. Foi a este monte que Jesus e a mulher samaritana se referiram. O poço de Jacó ficava ao pé desse monte.
No tempo de Jesus, por exemplo, a adoração no Monte Gerizim era uma prática dos samaritanos. Inclusive, no diálogo entre Jesus e a mulher samaritana, a mulher questionou Jesus sobre o local apropriado para adoração, se devia ser no Monte Gerizim ou no Templo em Jerusalém que ficava no Monte Sião.
Mas Jesus tratou de explicar àquela mulher que o Deus Todo-Poderoso não era um tipo de divindade tribal cuja presença estaria restrita apenas a um certo território supostamente sagrado. Ao contrário disso, Jesus disse que os verdadeiros adoradores adoram ao Pai em espírito e em verdade (João 4:20,21).
Slogan: Um lugar de descanso / lugar de completude / lugar de adoração.
1.4.2. SIÃO
Significado: Fortaleza. Veio a ser considerada como a cidade de Deus (pois a arca havia sido levada para Jerusalém – II Sm 6:1-22); Foi chamada a cidade do grande rei (Sl 48:2; 46:4); o monte Santo (Sl 2:6); o santuário de Deus (20:2); lugar de louvor e adoração, onde habita o Senhor (Sl 9:14).
Passagem: Apc 14:1
Aplicação: Nesse caso, aplica-se a Nova Sião, a Nova Jerusalém, por isso, um lugar de paz.
Slogan: Um lugar de paz.
1.5. UNIDADE EXCURSIONISTA
1.5.1. HERMON
Significado: Montanha sagrada, montanha do xeque.
Passagem: Mc 9
Aplicação: (1ª parte – Mc 9) Monte da transfiguração. Estado de glória em que Jesus Cristo fez sua aparição a três de seus discípulos, no Monte Tabor.
Ação ou efeito de transfigurar ou transfigurar-se; metamorfose ou transformação. Ação de alterar radicalmente o aspecto, a forma. Alteração na maneira de pensar, de agir, de sentir.
É uma transformação não só para Jesus, mas principalmente para os discípulos que estavam ali. Aqueles seguidores de Cristo passaram do alimento simples, para o alimento consistente – novas compreensões.
(2ª parte – Mc 9) Para os que estavam no pé monte fica o chamado para subir e ter um encontro verdadeiro com Cristo, para que então possam descer e servir, curar, restaurar e lembrar outros da necessidade de contato com Deus.
“Oh, quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união. Como o orvalho de Hermon, que desce sobre os montes de Sião. Porque ali o Senhor ordena a bênção e a vida para sempre”. Salmos 133: 1,3
Slogan: Um lugar de transformação; lugar de missão.
1.5.2. ÉREMOS
Significado: O Sermão da Montanha, uma das mais famosas pregações de Jesus Cristo citadas na Bíblia, foi realizado na área hoje denominada Monte das Bem-Aventuranças, também conhecido por Monte das Beatitudes. Conhecido no passado como Monte Eremos, localiza-se entre Cafarnaum (Israel) e Taba (Egito), bem perto da margem do Mar da Galileia e do lugar em que Jesus fez outra de suas famosas pregações, a Parábola do Semeador. Como naquele lugar, o Monte das Beatitudes tem uma vasta planície a seus pés, e ótimas condições acústicas para que alguém seja ouvido por muitas pessoas ao longe.
Passagem: Mt 7
Aplicação: Não existe maior sabedoria do que a palavra que vem direto da boca de Deus. Por vezes a sabedoria de Deus parece loucura para esse mundo, mas é nessa Palavra que devemos nos apegar.
Slogan: Um lugar de sabedoria.
1.6. UNIDADE GUIA
1.6.1. ABARIM
Significado: do outro lado. Nos tempos antigos localizava-se na terra de Moabe, defronte a cidade de Jericó (Nm 33:47). É uma cadeia montanhosa de onde o monte Nebo faz parte. Pisga é o ponto mais alto do monte Nebo, de lá Moises pôde contemplar a terra prometida.
Passagem: Dt 3:27
Aplicação: A história da morte de Moisés é um exemplo perfeito para compreendermos que muitas vezes as respostas e os pedidos de Deus não serão iguais ao nosso querer, mas são o melhor para nós, e isso requer fé, humildade e confiança de aceitar os propósitos de Deus e apenas contemplar a ação do Espírito em nossa vida.
Slogan: Um lugar de contemplação / lugar de aceitação.

1.6.2. QUARANTANIA
Significado: Monte da tentação. Fica na região de Jericó próximo ao vale do Jordão, deserto da Judeia. Lugar onde Jesus passou quarenta dias em jejum sendo tentado pelo diabo, logo após o seu batismo. Após descer este monte Jesus iniciou seu ministério.
Embora nas escrituras o nome do Monte não é citado, tradicionalmente foi localizado no vale do Jordão, junto à cidade de Jericó.
É nesta cidade de Jericó, hoje pertencente à Palestina que está o Monte onde Jesus foi tentado pelo diabo, logo após seu batismo, acontecido no rio Jordão por João Batista.
Passagem: Mt 4:8
Aplicação: “Concluindo, tendo em vista que temos um grande sumo sacerdote que foi capaz de adentrar os céus, Jesus, o Filho de Deus, mantenhamos com firmeza nossa declaração pública de fé. Pois não temos um sumo sacerdote que não seja capaz de compadecer-se das nossas fraquezas, mas temos o Sacerdote Supremo que, à nossa semelhança, foi tentado de todas as formas, porém sem pecado algum. Portanto, acheguemo-nos com toda a confiança ao trono da graça, para que recebamos misericórdia e encontremos o poder que nos socorre no momento da necessidade.” (Hb 4: 14-16). Romanos 5:3-5.
Slogan: Um lugar de exemplo / lugar de firmeza.
1.7 UNIDADE DESBRAVA +16
1.7.1 LÍBANO
Significado: Montanha branca. Ficava ao norte da terra da Promissão (Dt 1.7 – 11.24 – Js 1.4). Dá-se o nome do Líbano a duas cordilheiras, paralelas uma à outra, e igualmente paralelas à costa do mar, do sudoeste ao nordeste, na distância de 160km, aproximadamente, sendo separadas por dois vales. A que fica mais ao sul, a menor, é o Wadi at-Teim, onde nasce o Hasbany, que leva as suas águas ao rio Jordão – a mais setentrional é o ‘Vale do Líbano’ (Js 11.17). A cordilheira do ocidente é o Líbano da Escritura, donde Salomão obteve madeira para a construção do templo (1 Rs 5.9). A da parte oriental, o Antilíbano, ‘o Líbano para o nascente do sol’ (Js 13.5), era primitivamente habitada pelos gibleus e heveus (Js 13.5,6 – Jz 3.3). A população achava-se dispersa e eram aqueles sítios a morada de muitas feras (Ct 4.8 – 7.4). As montanhas do Líbano impressionam muito o viajante, quer ele se aproxime delas, vindo do Mediterrâneo, do lado ocidental, quer vindo do deserto, do lado oriental. os cimos coroados de neve constituem uma agradável vista refrigerante para os viajantes do deserto, sob um céu de fogo (Jr 18.14). A estupenda grandeza e grande elevação das montanhas do Líbano – os seus cumes, revestidos de neve perpétua, dominando o espaço como torres, ou coroados de aromáticos cedros – os seus olivais – as suas vinhas, produzindo os mais deliciosos vinhos – as suas fontes de água cristalina, e os seus ribeiros de água fresca – a fertilidade dos vales e o agradável cheiro dos arbustos, tudo se combina para formar na linguagem da Escritura ‘a glória do Líbano’ (is 35.2). Numerosas plantas aromáticas crescem sobre montanhas – e isso explica Ct 4.11 e os 14.6.
no livro de Salmos, o cedro do Líbano é o símbolo do crescimento dos justos. E dentro desse contexto, significa também: nobreza, beleza, resistência e longevidade.
Passagem: I Reis 5:14,18 / Sl 92:12
Aplicação: A região montanhosa do Líbano aparece na Bíblia como sendo o local de onde veio o cedro e as pedras usadas pelo rei Salomão na construção do Templo em Jerusalém.
O cedro é uma árvore majestosa que cresce nas alturas, nas montanhas da Turquia e do Líbano. Sua madeira é considerada nobre por não se deteriorar facilmente, além de ter uma bela cor avermelhada e um perfume agradável.
Nos tempos bíblicos, os reis encomendavam o cedro para suas construções civis e religiosas. O Templo de Salomão e os palácios de Davi foram construídos com o cedro do Líbano.
“O interior do templo era de cedro, com figuras entalhadas de frutos e flores abertas. Tudo era de cedro; não se via pedra alguma.” (1 Reis 6.18)
Quando os justos começam a crescer, inevitavelmente, eles apresentam uma beleza diferente e majestosa que vem de Deus. Mas eles permanecem humildes, porque esse crescimento e essa beleza vêm do Criador e para um propósito específico.
Crescimento e Resistência – não tem como falar de crescimento sem compreender o real significado da raiz. O cedro tem raízes profundas, e esse é um dos motivos da sua resistência. Seu sistema radicular é pivotante ou axial, ou seja, tem o tipo de raiz que se alonga em profundidade porque possui um eixo principal que sustenta a árvore, no sentido de possibilitar sua firmeza ou sua fixação ao solo.
A raiz cresce até 1 metro e meio de profundidade nos três primeiros anos de vida, enquanto o broto tem apenas 5 cm. Espiritualmente, isso indica que uma pessoa pode estar crescendo na fé e firmando suas raízes em Deus, mesmo que ninguém perceba isso.
O cedro só começa a crescer a partir do quarto ano de idade e pode chegar até 50 metros e a circunferência do caule pode chegar até 14 metros em média. Seu crescimento é lento, porém constante, por volta de 20 cm por ano.
Slogan: Um lugar de crescimento e resistência.
1.7.2 SEIR
Significado: m Hebraico Seir significa: 'cabeludo ou áspero'. O termo hebraico הַר-שֵׂעִיר‎; Har Se'ir, procede de sa ì r שׁער que pode ser traduzido por: 1 cabeludo n. m; cabrito, bode 2a) como animal sacrificial 2b) sátiro, pode referir-se a um bode possuído pelo demônio como os porcos de Gedara (Mt )8.30-32
Passagem: Deuteronômio 2:1
Aplicação: O Monte Seir formava a fronteira sul-leste de Edom e Judá, e também pode repercutir a antiga e histórica fronteira do Egito e Canaã. Ele foi a região montanhosa repartida aos descendentes de Esaú, os Edomitas.
O Monte Seir é especificamente observado como o lugar em que Esaú construiu sua casa (Gênesis 36:8; Josué 24:4), e onde os israelitas teriam rodeado antes de entrarem na Terra Prometida (Deuteronômio 2:1).
Ele foi nomeado para Seir, o horeu, cujos filhos habitavam a terra (Gênesis 36:20). Os filhos de Esaú lutaram contra os horeus e os destruíram (Deuteronômio 2:12). Monte Seir também é denominado como o local onde os remanescentes dos amalequitas que haviam escapado foram aniquilados por quinhentos Simeonitas (1 Crônicas 2:42-43).
Slogan: Um lugar de fronteira.
1.8 UNIDADE DESBRAVA +17
1.8.1 TABOR
Significado: Tabor. A planície que cerca o Monte Tabor é parte do Vale de Jezreel. Nazaré fica nas colinas próximas ao Monte Tabor.
Acontecimentos Importantes: Débora e Baraque reuniram os exércitos do Senhor contra Jabim, rei de Hazor (Juí. 4:4–14). O Monte Tabor é um dos locais tradicionais da Transfiguração do Salvador (Mt. 17:1–9); o outro é o Monte Hermom.
Passagem: Juízes 4
Aplicação: Débora, a profetisa, governou Israel durante o reinado de Jabim, um rei cananeu que foi muito cruel para com os filhos de Israel. A vida nas aldeias era dura. O povo era saqueado e fugia para as cidades fortificadas, em busca de proteção. Então o Senhor suscitou Débora, que era como uma amorosa mãe para Israel. Deus enviou por intermédio dela uma mensagem para que Baraque se preparasse para encontrar Sísera, general de Jabim, na batalha. Baraque recusou-se a ir, a menos que Débora fosse com ele. Ela concordou, mas avisou-lhe que, devido à sua falta de fé nas palavras do Senhor, a honra de matar Sísera seria de uma mulher, e não de Baraque.
Durante vinte anos, os israelitas sofreram sob o jugo do opressor; então eles se voltaram de sua idolatria, e em humildade e arrependimento clamaram ao Senhor por livramento. E não clamaram em vão. Habitava em Israel uma mulher, famosa por sua religiosidade, e por meio dela o Senhor escolheu livrar o Seu povo. Seu nome era Débora. Era conhecida como profetisa, e na ausência dos costumeiros juízes, o povo se dirigia a ela em busca de conselho e justiça.
Quando venceram ... Ela mostrou que a honra e o poder pertencem a Deus, e não a homens ou a seus ídolos. Descreveu as extraordinárias manifestações da majestade e do poder divino exibidas no Sinai. Expôs perante Israel sua indefesa e aflitiva condição, sob a opressão dos inimigos, e relatou com veemente linguagem a história de sua libertação.
re·sis·tên·ci·a
substantivo feminino
1. Força por meio da qual um corpo reage contra a ação de outro corpo.
2. Defesa contra o ataque.
3. Oposição.
Por ser profetisa, Débora teve uma maior intimidade com Deus que Baraque, e sabemos que ele mesmo reconheceu isso: “Então, lhe disse Baraque: Se fores comigo, irei; porém, se não fores comigo, não irei” (Jz 4.8).
Para poder entender os tempos difíceis que Israel estava vivendo, vamos ver o que Débora disse em Juizes 5.6-7 “Nos dias de Sangar, filho de Anate, nos dias de Jael, cessaram as caravanas; e os viajantes tomavam desvios tortuosos. Ficaram desertas as aldeias em Israel, repousaram, até que eu, Débora, me levantei, levantei-me por mãe em Israel”.
Obviamente as ruas eram tão perigosas que as pessoas tinham medo de sair de suas casas. E como que Debora se auto-denomina? A guerreira? A chefe? “[…] mãe de Israel”. Ela conhecia muito bem o seu papel. Ainda que Deus a tenha escolhido como profetisa, e Ele a chamou para dizer a Baraque o que ele deveria fazer, não é visível nela um espirito de superioridade pelo temor ele sentiu, também não se viu um espirito de controle como autoridade, ou de intimidação, mas o de orientação, serviço e proteção, como uma boa mãe faz com a sua familia.
sub·mis·são
(latim submissus, -a, -um, particípio passado de submissio, -onis)
substantivo feminino
1. Ato ou efeito de submeter ou de se submeter. = SUBMETIMENTO
2. Obediência.
3. Sujeição.
4. Humildade.
Palavras relacionadas: obediência, ressubmissão, rodilha, humildade, áulico, liberdade, rebelião.
A submissão ao seu esposo não é igual à submissão ao seu chefe ou vizinho, mas nossa atitude deve ser a de submissão e respeito. Agora, a submissão não é somente para mulheres: Na palavra também encontramos submissão do escravo ao seu dono (1Pe 2.18) que seria equivalente a submissão aos nossos chefes, às autoridades (Rm 13.1), dos cristãos entre si (Ef 5.21) e o mais importante, dos cristão a Deus (Tg 4.7). Se o desejo de Deus é que sejamos submissas em nossa caminhada, então, quando não sou, estou sendo insubmissa a Deus, e por consequência estou em pecado. A submissão pode ser difícil em algumas situações, mas em Cristo está o exemplo perfeito de submissão ao Pai, e a sua morte na cruz nos capacitou para poder seguir o seu exemplo.
Quer quer ser como Débora? Procure ter uma atitude e uma vida de submissão a Deus. Seja uma mulher que se submete às autoridades que Deus colocou na sua vida.
De fato, é muito interessante que Deus tenha falado que a vitória seria por meio de uma mulher, mas essa mulher não foi Débora. Foi uma mulher chamada Jael que terminou com a vida de Sísera (Jz 4.17-21). Mas a realidade é que essa batalha não foi vencida nem por Jael, ou Débora, ou Baraque, mas por Deus, quem orquestrou esses personagens e logo enviou uma forte chuva para que os carros do inimigo não pudessem avançar (Jz 5.21)
Essa é a historia de Debora: não como nos queremos interpretar, mas como a Palavra nos apresenta. Precisamos ser mulheres que se aproximam das Escrituras de maneira correta, não tirando dela o que nos queremos que ela diga, mas sim o que Ele quer nos dizer.
'A etimologia da palavra em seu sentido original - é 'estar abaixo da missão' de outra pessoa.'. E, ressalta que não se pode confundir etimologia com significado. Segundo ele, em escritos antigos [como a Bíblia, por exemplo] ser submisso tem o significado de estar debaixo da missão, que era como ele esclarece, o sentido da palavra submissão na época em que os relatos bíblicos foram escritos.
1. À luz do relato bíblico a mulher foi criada por Deus para ser adjutora do homem. Por sua vez, o dicionário Aurélio da Língua Portuguesa dá à palavra adjutor o seguinte significado: 'Aquele que ajuda ou adjutora; ajudante.' E, esse significado não é contrário ao sentido que a palavra adjutora tem na Bíblia;
2. A Bíblia faz analogia entre a submissão da mulher ao seu esposo e a submissão da Igreja [corpo] a Cristo [cabeça]. E, acerca disto, assim diz o apóstolo Paulo em sua carta aos cristãos da cidade de Éfeso:
As mulheres sejam submissas a seus maridos como ao Senhor, porque o marido é cabeça da mulher como Cristo é cabeça da Igreja, seu corpo, do qual ele é o Salvador. Ora, assim como a Igreja está sujeita a Cristo, assim o estejam também as mulheres a seus maridos em tudo. [Efésios 5:22-24].
3. Se, porém, partirmos da premissa que a submissão da esposa ao seu cônjuge significa que ela tenha que está constantemente disposta a fazer a vontade do marido, ainda que esta vontade vá contra os seus próprios desejos e interesses resultando em renúncia diária, então a relação marido/esposa que analogicamente corresponde à relação que Cristo tem e deseja ter com sua Igreja, realmente precisa ser alvo de grande reflexão entre os cristãos; e isto se dá justamente em razão dessa analogia que a Bíblia faz. E, uma vez que o apóstolo Paulo diz que o marido deve tratar a esposa como à sua própria carne, é imprescindível que à luz da Bíblia nos perguntemos:
3.1 Em seu dia-a-dia, os maridos cristãos têm tratado suas esposas como à sua própria carne?
3.2 Alguém em sã consciência faz algum mal à sua própria carne? Traindo? Humilhando? Coagindo? Desrespeitando? Magoando? Ferindo?
Por outro lado, à luz da Bíblia a relação que Cristo deseja ter com sua Igreja não é uma relação do manda quem pode e obedece quem tem juízo, e sim, uma relação de amor em que a submissão seja consequência da certeza de que tudo o que Cristo faz visa o bem de sua Igreja e isso nos dá o parâmetro de qual deve ser a relação marido/esposa à luz da bíblia. Contudo, um parâmetro que não se restringe à esposa em relação ao marido, mas inclusive dele em relação a ela.
Como diz Dostoievski, o poder de Deus é interno e não é coercivo. E, segundo o autor do livro aos hebreus, Cristo é a expressa imagem de Deus! Isto significa que Ele nos revela o caráter de Deus! Por conseguinte, a relação de Cristo com sua Igreja também nos revela o caráter de Deus! E assim, uma vez que a Bíblia faz analogia entre o casamento e a relação de Deus com seu povo, a conclusão que podemos chegar é a de que o caráter de Deus deve ser a marca da relação marido/mulher; ou seja, não se trata de uma relação do manda quem pode e obedece quem tem juízo; e sim, uma relação de amor em que a submissão da esposa ao seu marido possa encontrar respaldo na certeza de que ele saberá trata-la como à sua própria carne.
Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante. Também, se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só, como se aquentará? E, se alguém prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; e o cordão de três dobras não se quebra tão depressa. [Eclesiastes 4:9-12].
Note que o texto acima denota uma relação em que impera o companheirismo entre o casal. O fato é que o uso equivocado do significado de submissão da mulher ao seu esposo tem sido a causa do fim de muitos casamentos cristãos, isto por que, uma relação onde um dos cônjuges sempre se anula em prol do outro, estará sempre fadada ao fracasso, tendo como resultado um divórcio que mais cedo ou mais tarde poderá acontecer, quando a outra parte perceber não ser mais possível permanecer num relacionamento que envolva tanta anulação de si mesmo. Infelizmente, o que se vê, é que essa submissão tem sido interpretada como se significasse que a mulher, não pudesse ter opinião própria e, muito menos se posicionar frente a ela.
Porém, não podemos nos esquecer que Deus nos chama a um relacionamento que envolve renúncia de nosso próprio eu; mas também, devemos ter em mente o fato de que Deus não anula em nós aquilo nos torna peculiar em nossa individualidade. A renúncia a qual todos nós [homens e mulheres] somos convidados não envolve tal aniquilação do eu. E sim, a mudança onde ela realmente precisa acontecer. Abraão, Moisés, Pedro e, Paulo tiveram suas vidas transformadas, mas não tiveram suas peculiaridades como indivíduos modificadas. Embora impactados pela experiência pessoal com Deus, suas características como indivíduos foram mantidas.
E, diante disso, considerando a analogia que a bíblia faz do casamento com a relação que Deus deseja ter com o seu povo, a conclusão que se pode chegar é a de que a submissão da mulher ao marido no casamento também não envolve aniquilação daquilo que a define em sua individualidade. Até por que, se traçarmos o perfil de mulheres na Bíblia veremos que Deus não buscou mudar em nenhuma delas aquilo que lhes é peculiar como indivíduos que são. E assim, nem todas as mulheres são como Sara, nem todas são como Ester e nem todas são Débora.
Eu encerraria por aqui este artigo, porém, torna-se inevitável abordar dentro deste assunto 'submissão da mulher', a indagação que se faz sobre ela poder ou não ensinar. E é acerca disto que passaremos a tratar agora.
Em sua carta a Timóteo, Paulo deu a seguinte orientação:

A mulher aprenda em silêncio, com toda a sujeição. Não permito, porém, que a mulher ensine, nem use de autoridade sobre o marido, mas que esteja em silêncio. Porque primeiro foi formado Adão, depois Eva. E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão. Salvar-se-á, porém, dando à luz filhos, se permanecer com modéstia na fé, no amor e na santificação. [I Timóteo 2:9-15].
Em sua carta aos corintos, ele diz:
As mulheres estejam caladas nas igrejas; porque lhes não é permitido falar; mas estejam submissas como também ordena a lei. E se querem ser instruídas sobre algum ponto, interroguem em casa os seus maridos, porque é vergonhoso para uma mulher o falar na igreja. [1 Coríntios 14:34-35].
A meu ver, o uso de textos como esses dois que acabo de mencionar, para defender a tese de que a mulher não deve ensinar nas igrejas é equivocado! E, por certo, à primeira vista, afirmar ser isto um equívoco soe bastante estranho ao leitor. Mas não é! E, para entendermos melhor isto, será preciso abrir um parêntese para entrarmos na questão de usos e costumes na Bíblia, a fim de mostrarmos como Deus age na quebra de paradigmas.
Slogan: Um lugar de resistência e submissão.
1.8.2 EBAL
Significado: Ebal no Hebraico quer dizer: 'pedroso'. Mas também pode significar “pedra” ou dando indícios de uma “montanha sem vegetação”. Ela é a considerada montanha de maldição, ao norte de Siquém e oposta ao Monte Gerizim.
Passagem: Deuteronômio 27:4-6 / Deuteronômio 11:26-32 e 27 a 30
Aplicação: Logo foi ali que ele escreveu em pedras uma cópia da lei de Moisés, que ele escreveu diante dos filhos de Israel (Josué 8:30-32). Nenhum estudioso contesta o fato de que esta é uma tradição extremamente importante e autêntica que trata de um acontecimento central na vida das pessoas daquele povo. Todos concordam que este evento teve lugar no Monte Ebal.
Foi sobre o Monte Ebal e virado para ele que as repreensivas de Deus foram lidas diante do Povo. Em Gerizim, o monte lateral, eram lidas as bençãos. Veja a narrativa bíblica.
No Monte Ebal foi ordenado que os israelitas construíssem um altar após entrarem na Terra Prometida. “Logo após ter atravessado o Jordão erigirás essas rochas, conforme hoje te ordeno, sobre o monte Ebal, e as caiarás. E lá edificarás um altar em louvor a Yahweh, teu Deus, um altar de pedras não trabalhadas por ferro; é com pedras brutas que vais edificar o altar do SENHOR, o teu Deus, e sobre ele oferecerás holocaustos, sacrifícios totalmente queimados, a Yahweh, teu Deus.” (Deuteronômio 27:4-6)
Slogan: Um lugar de disponibilidade e decisão.
1.9 UNIDADE DE LIDERANÇA
1.9.1 BANIAS
Significado: Banias é um sítio arqueológico localizado no sopé do monte Hermon, nas colinas de Golã, a cerca de 150 km ao norte de Jerusalém e c. 60 km a sudoeste de Damasco. Ali havia uma cidade chamada, à época do Império Romano, Cesareia de Filipe, situada junto às Fontes de Banias, uma das nascentes do rio Jordão.
Passagem: Mt 16: 13-19
Aplicação: Para reconhecer a Deus, preciso reconhecer quem sou, o quão pequeno sou diante de tanta grandeza. Mas para entender também quem sou, preciso entender quem Ele é, o que Ele fez por mim e o que mereço.
Slogan: Um lugar de reconhecimento.
e-mail para conato: dbvolimpo@hotmail.com

Pre-Matriculación abierta

Es necesario disponer de la clave de registro del Club (una contraseña de 5 dígitos) para comenzar a preinscribirse como miembro de este Club. Si no tienes la clave contacta directamente con el Club

Correo electrónico de contacto: dbvolimpo@hotmail.com


Llene los datos para empezar

Recuerde que el miembro debe ser mayor de edad al 30/06 del año en que participará


(Código proporcionado por el Club para validar)


(Miembro que participará en el Club)


(Miembro que participará en el Club)