Club de Conquistadores Amazonas
Associação Central Amazonas

Los datos presentados aquí son de responsabilidad de la directiva del Club Amazonas
Amazonas

Amazonas

Conquistadores

  • Miembros 20
  • Directiva 12
  • Total 32

Datos del Club

Fundación

05/05/1963 (58 AÑOS)


Región

2ª R – ÁREA 1 / DBV


Dirección

RUA PROFESSOR MARCIANO ARMOND, 1843 - CACHOEIRINHA
MANAUS - AMAZONAS
69065-120


Reunión principal

DOMINGO
09:00:00


Link externo

Clic aquí para accesar

Clasificación 2021

Este Club fue 05 Estrellas en: 2018

NOSSA HISTÓRIA

A Igreja Adventista do Sétimo Dia da Cachoeirinha, em Manaus, Amazonas, é a nossa Igreja. Ela nasceu nos idos de 1955, no dia 16 de outubro, fruto dos devotados esforços de um grupo de irmãos que abdicaram do conforto que lhes oferecia a Igreja Central de Manaus e partiram para o campo, realizando séries de conferências que resultariam no surgimento desta Igreja que, a meio século de existência, tem se transformado numa agência ganhadora de almas para o Reino dos Céus. E como não poderia deixar de ser, a Igreja da Cachoeirinha já nasceu com uma vocação missionária. Saiu semeando outras igrejas nos seus arredores, e multiplicando os talentos que recebera de Deus.
Nesse mesmo espírito de jogar a semente sobre todos os solos, a fim de que a semente germinasse nos corações, o Pr. Itamar Paiva (departamental de jovens da época), em dezembro de 1960, começou a conversar com irmãos, com o propósito de criar um Clube de Desbravadores na igreja. Segundo Wellington Souza e Salvador Conte, esse clube com sede na Igreja de Cachoerinha iniciou nos primeiro meses de 1961, com o nome de Clube de Desbravadores da Igreja de Cachoerinha. O diretor era o irmão Wellington Souza.
O clube cresceu bastante, pois vinham muitas crianças de outras Igrejas Adventistas e bairros vizinhos onde havia a presença Adventista. O Clube da Igreja de Cachoeirinha era composto por juvenis e adolescentes das primeiras 3 Igrejas Adventistas da cidade de Manaus: Central, Cachoeirinha e Morro da Liberdade. Por essa razão, achou-se necessário mudar o nome do clube para Clube de Desbravadores de Manaus, em 1963.
É consenso de Wellington Souza, Salvador Conte e Francisco Pereira que apenas em 5 de maio de 1963 o primeiro clube realizou sua primeira reunião oficial, com 120 desbravadores, sendo considerado na época o maior clube do Brasil. Nessa época, o presidente da então Missão Central Amazonas (MCA) era o Pr. Enéas Simon, e o departamental de jovens o Pr. Itamar Sabino Paiva. O pastor da igreja de Cachoeirinha era o Pr. Alair Freitas, e seu auxiliar o Pr. Valdomiro Reis. O diretor do primeiro clube de desbravadores do estado do Amazonas foi o irmão Wellington Souza, e seu sucessor o irmão Salvador Conte.
O nome do clube derivou do próprio nome da cidade, que por sua vez deriva do nome da tribo indígena "Manau", outrora existente no espaço onde a cidade foi erigida. A partir de 1964, se desfez a fusão do Clube de Desbravadores de Manaus, passando cada igreja a administrar o seu próprio clube. A Igreja Central chamou seu clube de Clube de Desbravadores da Igreja Central, que posteriormente se tornaria o Clube Vitória Régia. A Igreja do Morro chamou seu clube de Clube de Desbravadores Liberdade. O clube da igreja de Cachoerinha continuou chamando-se de Clube de Manaus.
Em 1968, quando o Clube completou cinco anos de existência, teve seu nome mudado para "Clube de Desbravadores Amazonas", o seu nome atual.
O Clube atravessou os anos 70 promovendo as mais diversas atividades, sintonizando com os ideais da Sociedade MV (Missionários Voluntários) que posteriormente se transformaria na Sociedade JA. Em sua liderança era fácil identificar jovens garbosos e destemidos, como Salvador Comte, Francisco Nogueira Pereira dos Santos, Pedro Maia, Joquebede Souza e Sara Gonzáles, entre outros igualmente importantes, que deram muito de si para que o Clube seguisse em frente, na sua missão de salvar. O apoio irrestrito dos primeiros anciãos também foi fundamental. Por isso, não se pode deixar de citar os nomes de Diogo Souza (ao lado de Nair Souza, sua esposa) e Geraldo Santos.
Ao fundar o seu clube, a Igreja da Cachoeirinha estava fazendo história, com a marca do pioneirismo que jamais será suplantada: Esta Igreja fundou o primeiro Clube de Desbravadores do Estado do Amazonas! O primeiro da MCA. O Clube recebeu, inicialmente, como sede uma área nos fundos da Igreja, onde abrigou as diversas atividades até a década de 80, quando merecidamente ganhou sua sede própria. Nessa época, o Pr. Francisco Lemos era o pastor da Igreja e deu irrestrito apoio ao Clube. Depois desses pioneiros, Deus foi levantando homens e mulheres que receberam a tocha e a levaram adiante.
Na década de 80, a diretoria - formada pelos irmãos João Garcia de Carvalho, Miraci Andrade Evangelista e Hélio Matias de Oliveira - idealizou o emblema do Clube, superposto ao símbolo dos Desbravadores, formado com as seguintes figuras sobrepostas: um clarão amarelo à semelhança dos raios de sol, representando o Sol da Justiça; o mapa do Amazonas na cor verde; e um tucano, representando a fauna amazônica. Com o passar dos anos este símbolo foi atualizado, mas nunca perdendo sua essência.
Ainda nos anos 80, conforme nos informou uma das líderes de então, a irmã Miraci Andrade, o Clube adquiriu suas primeiras barracas padronizadas e sua fanfarra. Segundo ela, um fato interessante aconteceu no 1º Campori da União Norte Brasileira em Manaus, no Ano de 1987: naquele evento, unicamente o Clube Amazonas possuía uma fanfarra. Coube a este Clube o privilégio de encerrar o Campori, ocasião em que os nossos desbravadores realizaram um belo espetáculo pirotécnico e encenaram algumas lendas amazônicas.
Desde o seu surgimento, o Clube tem representado a Igreja da Cachoeirinha em inúmeros camporis, participando de excursões culturais, retiros espirituais, e desenvolvendo as mais variadas atividades educativas, primando pela evangelização dos não-adventistas, que historicamente têm representado 25% dos seus membros, e principalmente pela conservação dos filhos da igreja. No início, a despeito do fervor missionário e da boa vontade dos dirigentes de Clube, tudo era muito trabalho para conquistar a credibilidade dos pais e o apoio concreto dos membros da Igreja. Hoje esse apoio pode ser sentido, graças a Deus e à compreensão dos irmãos.
Pelo levantamento de dados que conseguimos fazer, participaram dessa história, como diretores do Clube, os irmãos Wellinton de Souza, Salvador Comte, Pedro Maia, Rubén Mourão Corrêa, Ocírio Roberto, Paulo César Arruda, Vera Lúcia de Oliveira, João Garcia de Carvalho, Aldo Gonçalves, Walter Clajus de Oliveira, Francisco Pessoa, Newson Lima, Marcos Afrânio, Anderson Fonseca, Alba Correa de Oliveira, Adriano Pereira da Silva, Ednete Souza Guedelha, Ismael Alexandre Ribeiro, Sara Pacheco, Bruna Soares e, atualmente, Rebeca Netto.
O Clube Amazonas tem o privilégio de contar com três pastores entre os seus ex-membros. São eles: Pr. Lourival Gomes (Ex-Presidente da Associação Central Amazonas), Pr. Jorge Pedrosa (Distrital) e Pr. Alijofran Brandão (Ex-Departamental de Jovens da ACEAM).
O hino do Clube foi composto em 2002, sendo a letra autoria de Carlos Antonio M. Guedelha e a música de autoria de Adalter Ferreira.
Hoje, transcorridos mais de 50 anos de muitas realizações em prol da salvação de preciosas almas, o Clube de Desbravadores Amazonas pode contabilizar as bênçãos sem medida que Deus lhe tem dispensado. O Clube tem sua sede própria, vários materiais indispensáveis às atividades que realiza, já teve a oportunidade de participar de grandes eventos como os camporis da Divisão Sul-Americana e, o que é melhor, um grupo de juvenis e jovens com muita boa vontade, sede de aprender e disposição para o serviço, com pais presentes e apoiadores.
E a história do Clube de Desbravadores Amazonas continua, pelos caminhos de qualidade buscando a excelência, tendo Deus sempre no comando. Os líderes e desbravadores orgulham-se de sua história de pioneirismo e estão dispostos a marcar firmemente sua presença no cumprimento da missão de salvar do pecado e guiar no serviço.
O clube já possuí 58 anos de história!